7/28/2009

De Zininho para Tom



Na minha casa
os muros se abrem
para dar lugar
as cores


as lagoas e os mares
abraçam todos que chegarem


abre a porta
para o vento
sem tempo passar

as flores povoam
os portões
e
os encontros
se atam no arco-íris
dos amigos


a Ilha sempre me chama

e no meu barco
sem cais
sempre cabe mais um verso

mas é incompleto
sem você

os pássaros de tom
se unem
cantam
graças vivas
alegrias

minha morada é a Ilha

onde os caminhos se abrem
e o mar dos meus olhos
contigo

é mais brilhoso

e feliz

2 comentários:

Bárbara disse...

que lindo Ry.
teus escritos sempre me emocionam.

beijos.

Cláudia "Zininha" Barbosa disse...

Meu Deus, Ryana... que coisa mais LINDA!