12/31/2007

Revés

Se uma estrela
se surpreende inteira

e é a própria constelação


sua voz vem
de duas rochas
que desenham
o redor
de um olho-planície
amedrontado

minhas costas doem
suas dores

as estantes pesam
nossos retratos

o seu medo
do meu dentro
se torna vermelho
sangue

conto as vezes
que estive entre
o seu maior pesadelo

me sopra o vento
torço
para parar
longe da sua faca

não quero ver a dor
e o ódio que você
germina entre as mãos

e o pior,

esse escaravelho
que habita
o meio do seu peito

eu não quis provocar isso



eu que te consertei
os arranhões

que não olhava o presente

mas protegia
em sonho
e suspiro
de gostar
absolutamente
acima de qualquer
agulha


de ter algo para passar
as palmas
e abraçar
em sono

Não preciso mostrar
o corpo para dizer
que doeu

Não preciso ir até
o cume do abismo
e gritar a invasão
e a brutalidade
que se mostrou
entre suas palavras
negras

não preciso chorar
e fingir vidro fino
para mostrar
que cortou

onde você anda escondendo
sua verdade-arma?

estava tudo bem

estava tudo colorido

dentro do meu travesseiro
só esperando
o seu sorriso

12/09/2007

Areia




Minha avó dizia

que quando ficou

mais velha


ela viu a vida

escorrendo entre

os dedos


feito areia



eu tenho um medo

de deixar ir

parecido com

o dela


não posso segurar

a areia


não posso

deixar de segurar

de tentar segurar


e se há uma

voz no céu

uma voz



que encha d´água

todas as bacias


quero ser a areia

não a mão


quem vai é sempre mais feliz

do que quem

fica


se há uma voz

no céu


que ela segure

um cálice


de vontade


de con ti nu ar



ar




a

a

a

a



r

11/27/2007

nanquim


E se aquele adeus fosse sem dor derramada. Um lágrima que está presa nas minhas retinas. E se você pudesse ter certeza do fim antes mesmo que o presente criasse pernas e começasse a andar. Está tudo retalhado no íntimo, como uma aranha armadeira que tece sua morada como o balanço de um colo de mãe. Parece que a geometria, o calor da terra, e os prismas de cristal, guardam um segredo de nós, parece que está perto demais, e por demais perto sua imagem me satura em grãos. A nossa casa em decomposição. Algum sonho apodreceu em baixo do travesseiro. Seus cheiros absorvem o mesmo momento do atraso, do corte, da finança em escorregador, o caos no jardim, e os lixos espalhados pelo porão de nossas faltas.Eu conto seus suspiros, talvez algum seja o último. A chegada e a partida. Seria esta saída, o último adeus?Eu conto seu último afagar também. Por que você diz adeus, se preencho seu armário de saudade, se pouco do meu perfume ainda envolve seus lençóis, se no teto, ainda há algumas sombras do nosso movimento em meia luz? Por que você diz adeus, se os laços nos puxam pelo pescoço e a nódoa de algumas fissuras ainda preenche o maior lugar do caminho? É um resto que permanece no chão. Uma macha de cor forte vai tornando a aparecer. Primeiro você chega com chagas, e sigo arrancando as vendas da ferida,curo. Depois te peço uma desculpa para desaparecer. E quando o tropeço está escrito tão forte quanto duas mãos em devoção. E se eu vejo a tempestade que se arma no seu olhar. E se eu avanço com medo das suas flechas. Como você pode garantir proeza que é ainda me possuir? Meus pés estão fincados aqui. Você vai correr com as minhas opiniões? Vai pôr pedras na minha esperança que lateja no cinza mórbido que preenche as ruas? E se eu não pudesse dizer nada mesmo vendo todo o precipício. E seu eu quebrasse o espelho do passado e pudesse não olhar para trás. E se u derramasse em nanquim as passagens que levaram meus pés ao sol. E se entre as manchas da minha pegada você ainda pudesse encontrar a chave dessa algema.E se as marcas dos meus pés que saem, borradas em nanquim pudessem voltar a trilha entre nós dois.E se você ainda pudesse me impedir.E se eu pudesse apagar o espaço cada vez maior entre as pegadas do adeus.

11/22/2007

Solução loção- Para Maria Simonetti

Quem me dera
um litro de poção


loção para matar
um sentido
de gozo
fogo
e tortura

um litro
mililitros

e suas migalhas

e seus couros

as últimas peças
que sobraram de você

um caminhão
para o nunca

é o que se resume
o silêncio distanciado
de sorrisos

corpos efêmeros
e voluptuosos

o sopro

o sopro de suas narinas
que percorrem
as costas do nosso
sarcasmo


você ri longe?

você flutua sem mim?

Esta página
solta no espaço
da nossa ousadia
em não aliar


meus dentes pedem você

e eu me emaranho
no pântano

no pântano
a últma solução aquosa

química para desesperados
esquecerem

álcool etílico
que transborda

tesão
tesão que nostalgia
os pés roçando
no cobertor


saudade
saudade

a solução

10/26/2007

*Olhou-me em cheiro: pelo talo,

tomo o jasmim, arranco-lhe a

-pétala


De branco e pele,

lembro de minha você.


Aperto os dedos: aromas e

hematomas.


Décio Pignatari 2005

Tatuagem* (A Ricardo)

Esta noite,
jardim de serpentes
que me devoram os pés,
vai gerar o amante.
Ele,
sem nome ou tessitura,
ateará agulhas em brasa
e uma única palavra
sobre meu torso.

Fere-me de asas, sim?
Cega-me.
E em torno de mim
apenas o real,
mar de estanho.


*Micheliny Verunschk

10/23/2007

Borboleta








E quando dar a vez a um sonho. E tudo se confunde em poder ser inteiro aquele arco-íris sonhado.Fatos correm e afobam-se as labaredas da altivez, desconforto e medo. Um medo traidor de de repente a luz resplandecer. Como ser um pano límpido?Sacolas de lixo rugindo a escravidão da sujeira. Sujeira entre os dedos e as palavras negras. Migalhas de respiro, suspiro e descanso. Unhas de lince, pernas roçantes, e pêlos desconcertados. Cabelos, cabelos, cabelos. Sujeira entre as coisas más e um sentido de carinho pelos objetos.E se de repente tudo pudesse ser mesmo o primeiro impulso. Muitos tapas se dariam. E talvez muitas mortes. Muitos escândalos. E se eu pudesse ouvir toda a verdade? Mas talvez o sonho fosse tão possível quanto o fracasso, mais comum no impulso. O impulso de querer, faz parar o ar da caravela de existir. A caravela pára, lança âncoras e assegura o ser. O primeiro impulso tem a maior força do sonho. O impulso não se desgasta. Passa. Possível. Talvez o sonho fosse mais possível como um pavão que se abre em cores, foco, luz. Mas o que parece só um erro de caminho se fortalece e o monstro da desternura e do orgulho vencido toma maior forma. A forma de um ferro disforme em brasa. Se exposto, queima. E quando mesmo assim a ponte da vida com seu pavão resolve abrir alas?Você vai ser o próximo a seguir o caminho do arco-íris, o arco-íris que certamente você obstinou toda a caminhada? Você criou. Criou o segredo.Você também criou aquela ameba do canto da sala?Aquele ser quase vivo? E quando a conta vira papel e seus cálculos acertaram todos os seus erros. Um erro verídico. Quem está disposto a perdoar? E se você dissesse o íntimo. A verdade mais crua e cruel?E se nunca mais pudesse fingir? E se não quisesse fingir?Falo com muitas vozes.Muitas vozes. Conheço alguma das suas.E se de repente eu pudesse tirar de uma vez por todas essa máscara?

10/17/2007

Turquesa o que não é



E quando de repende todo o azul começa a transbordar. Você começa a derreter em palavras e a imersão de um choro toma uma forma de cor. A cor que alucina e elucida entre meu seu corpo. Eu não queria muitas vezes falar. O medo brota de uma outra vertigem, como o sangue. Começa a correr na veia, mais que uma vontade, mais que um querer de buscar estrela. Sim, eu apanharia mais que uma contelação por nós dois. E estou entre os corais, e estou entre o vento que me toma e a parte muitas vezes que queria descorrer de mim. Já não tremo. Não corro. Nem absolvo a conduta de niguém. O tempo e sua assombrosa carroagem, não passam, voam, acendem, plainam me apalpam. O tempo me provoca como uma bebida que espalha o sangue. o sangue, sangue. Sangue azul neon, sangue lilás, sangue que corre entre o seguro e o desequilíbrio. Eu sou uma sombra que tenta,tenta tremer as bases de uma nuvem. E sou a réstia fina de chuva que se embaraça no céu. Olhe para lá, para o céu além, para o azul derretido que vem inundar.Inundar a perdição de nossos quereres mais bifurcados.

10/10/2007

Nota de Falecimento

Hoje sou essa mulher que chora.Chora.Mulher que despe em água água água todas as coisas. O tremor de todas as coisas. A sua luz que não dormiu acesa no meu colo. Eu esperava que você pudesse me tirar daqui.Minha crosta está aumentando. São planos que deram errado. Quantos você sonhos fracassados você tem colecionado na cama?E no penhasco?
A sua morte repentina. Quem é você que se atirou do 12º andar?Quem te ensinou a não rir das coisas que são longes e pequenas. Quem é você que morreu com um fuzil de dor?Qual das que foram você decidiram tentar voar?
Seu pés percorreram o alambrado. Sua boca correu pontes e atravessou a história de todas as palavras. Seus olhos enxergaram tanto, tanto, que se assustaram. Quem é você que não pode me dar a mão?Muitos pediram para você não tentar. E seus braços que abraçaram galhos, subidas ao cume do deserto abafado em que o todo se alastra. Olhe para mim. Eu preciso dizer que sua risada ausente, muitas vezes me preencheu. Que embora longe, o que é desconhecido também fascina, também carinha, também deseja bem. Seu sorriso me sorria sem saber que eu gostava.E não pude dizer.Você podia voltar para um abraço? Eu ainda choro sua ida.Você começou a brotar asas, antes mesmo que eu dissesse que era um anjo bêbado. Anjos bêbados não tem medos de escadas, de linhas, de cordas bambas. Anjos bêbados procuram o sorriso que o palhaço assustou. Anjos bêbados não tem vergonha de rir, anjos bêbados não tem vergonha de não saber, de estar fora. Anjos bêbados nos encontram pelo corrredor e nos convidam a sonhar na esquina, anjos bêbados nos acompanham em nossos anoiteceres sem luz de fim de túnel. Anjos bêbados nos procuram por detrás da cortina, nos oferecem um copo, nos fortalecem e depois escondem as asas. E quando você foi tentar voar. A sombra dos eu corpo que me apavorou, a sua imagem fica pulsando todo o tempo. Ninguém pode tocar a sua camada mais densa, e você quis pular aquele enorme buraco. E você só queria chegar a ver melhor, e você só queria sentir o vento da lei da gravidade. E você queria se equilibrar na corda, no alambrado, na alma . E você só queria tentar usar as asas que estavam brotando, e de repente você poderia me dar a mão. Os seres pela metade nos acariciam. Eu esprava qu você pudesse me tirar daqui

mas antes de pular esse abismo

deixa eu dizer que estou vendo a sua auréola

cintilar entre os olhos e o óculos

e você só quer mesmo

tentar voar

voar

voar

vo




a

r

para o céu lugar.

10/02/2007

O homem e sua casca

E tinha uma casca que envolvia. Era mais grossa que a casca de um ovo de pato. Ele pensava que ninguém percebia. Por isso vivia com a faca na mão. Uma faca que conseguia sujar toda a luminosidade de suas esferas brilhosas, que lantejavam e lantejavam o caminho, quando ele agradecia a vida. Sim, só quando ele agradecia de estar ali, estar ali, simplesmente. A casca as vezes, não deixava se misturar. Esse era o porblema. Aquele enorme deserto ao redor, só fazia com que a faca ficasse mais pontiaguda, mais cheia de fio para cortes profundos. A faca já ia enferrujar, alguns pés de jabuticaba nasceram ao redor. Mas ele não se mobilizava. Achava que a jabuticaba é quem tinha que ir até lá, ser cortada pela faca.De longe, a criatura ouvia os conselhos, tinha vezes que guardava a arma. Mas tinha tanta raiva de si, tinha tanta lama e uma vontade de nao mostrar tão grande sua escuridão que mergulhava no medo e o orgulho por detrás do medo exasperava e se espalhava por todos os cantos, os mais escondidos. Orgulho derramado toma todo o espaço, amedronta e é claro, intimida. Como a faca. Quando resolvia se mexer andava sem as mão no bolso e sem nenhuma oferta para ninguém. Ele achava que ninguém deveria esperar algo dele, ele que era cometa e se pensava menos que uma lagartixa. Mas ao olhar tal belezura e sua casca fina, todo mundo queria arrancar o véu, divulgar a simetria envolvente de seus traços. Mas a criatura mal sabia de sua prisão-casca. Mas a criatura nem sabia se ao arrancar tal pele, não pudesse, por acaso se ofuscar com a luz. A criatura, mesmo imobilizada por aquela segunda pele andava com um olhar insistido de não ter solução para respirar. As vezes pensava em se solucionar, e quando era tomado por isso achava que tinha de mudar de lugar. Mas era preciso mudar o seu lugar consigo, para dentro. Mas logo saía a criatura e sua casca impregnada desbravando novos céus.Em outros lugares, a casca ficava mais fina, o medo diminuia e o orgulho ficava preso apenas a fazer feliz os outros, um orgulho de ser uma criatura boa.As vezes o que estava afundo, resbalava e ele conseguia arrancar a pele e profurar lá dentro de si a faca. Achava que cortando ia ser a solução. E quando se revoltava, colecionava o nome dos ofensores e a cada um, de um jeito, feria de maneira brusca, mudando nomes, violando moradias, escolhendo o melhor discurso que deixasse o outro se sentindo menor que ele. Ele e sua casca de poder.Não dividia os medos. E quando a vida trazia flores, ele cuspia de volta pela janela. Achava que pisar em um presente mataria uma esperança em alguém, esperança essa, que ele no fundo não sabia como alimentar. Recusava os presentes, porque nao conseguia ser feliz ao lado deles, dos presentes, dos presentes. Daqueles presentes que a vida já havia dado, presentes com bocas, presentes com falas, presentes com abraços, presentes com saudade, presentes que sempre viram o homem e sua casca como uma surpresa que chegava por debaixo da porta.

9/28/2007

E quando pensamos em buscar um sorriso mais além. Esta é a resposta. E quando conseguimos. Duas pedras vivas cintilam e cintilam.E torno a repetir as palavras porque ainda elas são naturais como as asas de uma maripoza quando roçam . O repetido é belo.Repito e repito. O grande mistério que envolve os seus dois braços intocáveis para mim. O grande mistério me mantém a te olhar e a te querer ocultamente. Embora eu sonhe tocar os seus pêlos. Embora eu deite em sono, e antes de me sair, fico esperando como será o seu gemido maior. Eu...que a poeira e a traça fazem morada. Há ordenado nesta parede mil cupíns que vibram juntos pelo riso desta morada. A vida vem ocupando um sentido maior. Lavo taça, estendo roupas, e sou tão feliz quanto rolar na areia do verão. E sou tão piso que desejaria ser maria fernanda,ser mano, ser libélula, ser moita, ser vaso de espada de são jorge. Meu desejo preso de nos rir é maior que qualquer medo. Eu queria ser a água que lava os seus olhos. Parece que estou presa, mas quando mais quero ser, quanto mais brinco com o meu buraco, com minha nódoa, minha ferida, mais vôo.

9/25/2007

lugar de mim

Alguns chumaços de luz
preto e branco
é o passado e sua vestimenta
de tortura

a voz vem tecendo
um conselho calmo

vá por ali

embora os pés estejam
esticados
duros e presos
neste chão

é preciso cortar

é a força que controla
a força que torna ofegante
seu respiro

eu esperava sair daqui

você está ao léu
longe de qualquer lugar
que sobre a mim

você não pode alimentar
a minha carne

e no entando me invade
e eu que era tão inteira ali
e eu que parecia penugem
que parecia fantasma
entrando na fresta da porta

um medo de não apagar você
uma dor de ainda estar
ainda ser

com seu andar em molejo
com suas peripáceas
pulos em mim

as armas se dissolvem
e volta
volta volta
a agonia que me pulsa
o seu corpo
o seu suor
sua voz
gasta chorando
um carinho

você dá corda na caixinha
e quando chego perto
vira os olhos

eu queria que
você pudesse me tirar
daqui

ou me levasse com você

o dia invade a obrigação
de estar no ponto

seus colares
estão presos
no meu vestido

mas veja
eu preciso ir
preciso que você
abra a porta

nossas ruas se bifurcam
no vão

e deparo novamente

você não responde
eu grito
você acena do outro lado do continente

está morrendo
está morrendo

eu preciso que você
venha terminar
de matar isso

eu preciso que
esta seja a minha última
palavra de uma morte

que renasce todo dia
em outro lugar
de mim

9/11/2007

Sonho


Não. Não pense que eu vou embora. Aquela que está imersa na neblina. Não é agora que eu vou cair. Não pensei que podia chegar aqui. Um mulher com uma perna machucada. Subindo a ladeira escorregadia. A casa. A casa que não se abriga em contagens arranhões e afeições. A casa que não abriga amores em desvantagem nem almas perdidas de um laço. Os bancos tremem. O portão dos seus olhos range.Braços de galhos. Raízes entre os dedos do pé. O repuxo que monta uma ausência nas costas de um indivíduo cabisbaixo. Consolos alcoólicos que derramam a lembrança dos seus dedos quando costurados no meu cabelo.Um objeto pontiagudo que invade a carne. De repente, começa latejar. Uma dor de não ser mais.Não ter mais. Não poder mais. A quentura das suas mãos morango em frêmito na noite. A vontade de ser rio.O rio e o seu privilégio de assistir o nascer e o pôr da lua. A água que ladrilha a casa ao redor, que molha as plantas e reflete as sombras e o sol. Há uma gordura impregnada no meu querer. A casa acolhe as avalanches da noite. O barulho da geladeira é assombroso. Eu escuto os uivos dentro da sua voz branca.E os cômodos em melancolia deixam exalar uma fumaça de ausência. Eu escuto passos, declarações de afeto, e zunes entre revoadas e desavenças. É um registro da parede. É um registro que se desmancha no chão, atravessa as lajes e impregna todo o material de estrutura. Ficam suspiros espalhados de gozo, sons de arrasto, mudanças de trincos cadeados.Você ainda está aqui. Essas migalhas de pão. Sobrou?Já passou?Então não é nada. Nunca foi. Você disse que queria me ver sol, e no entanto foi o primeiro a chegar chovendo nesta campina de uma semeadura sensível demais, fina demais, tola demais. Eu manchei um lago inteiro de choro azul anil. Eu enchi uma bacia inteira de desesperos. São cacos. E cortam. Não rasgue as fotos. Só os restos são eternos. Os restos nunca voam. Ficam ali, impregnando a madeira, grudando forças de ataque e amor, glória e resistência, neutralidade. Entre o telhado e o sótão essa saudade. Que saudade de você. Sua risada avança pela casa atropela as portas e entra de mansinho pelas frestas. Parece um hino da vida. A sua frase mais bem construída, e o seu mais devoto olhar entre as horas que giram ao contrário. Ainda sou essa passagem de barro e pedra.Embora a rua tenha asfaltado você ainda me dá a mão para atravessar. Mostra qual é a flor que nasce do mar. Já passou? Eu manchei uma lagoa inteira de sonhos enganados desde a primeira viagem. Quem vai querer ouvir as histórias sobre o que eu mais perdi?Sobre os atrasos, desistências, frutas que ficaram podres na fruteira do desapetite.Mais um sonho enganado.Já passou?Sempre a ingenuidade.A ingenuidade. A ingenuidade que só cabe entre as cartilagens que geram a pérola.Qual o medo do meu olho atento?Qual é o medo do meu espelho?Se eu fui também aquela que ofereci a mão. O engano. Quando tudo parece atado, laços de força e bronze.Laços de pó. Os sonhos erram, fogem de casa. Demoram para voltar. Fica um lugar sem dança. Um breo de nostalgia se difunde entre os respiros sobrevivos. Os sonhos voltam, vão e voltam. Vivos, maltrapilhos e sedentos arruinando a vontade de torná-los secos.
Imagem *Iberê Camargo

9/08/2007

Guriá, Guriá-Indiara Nicolletti Ramos

(Guria, Guria)
Porque se afastar
ou se perder no caminho

guria,guria

Semear porque a vida
é um grande campo
Onde Ceres ensina
a separar o joio do trigo

A vida, guria
Além de constante derruir
Também é a ilusão do construir

Tudo o que se junta em anos,
Se vai, se vai
Em um sopro
de mãos de conchinha,guria

Guriá, Guriá

Porque ir além de todo o porvir
Além de todo além
Porque se afastar, guria

Caminhar que é a única certeza
A certeza é o estar,
Porque só se sabe
que esta é a sua estrada.

É o teu caminho,
O caminho que para trás você deixa, guria

E estar é o presente
O suspiro dos passos que foram
e o novo passo que inicia

Porque então guria
se perder no caminho

Pois o caminho
já é toda
a tua existência.

8/31/2007

branca em neve e seus arranhões


um um pouco desta
estrutura morre um pouco a cada
dia

é negro o paletó que se pendura
a tarde é branca
e úmida

a roupa está grudada
em agonias
afeições
e amarras de fio fino


dói se prender
um pouco de mim
a vela aterrorizante
velou

há ali
entre os desesperos
e o choro do luto

uma mulher

que apodrece
em conceitos e fala

a mulher com um lenço
manchado de desesperança

a mulher em pé
acolhendo o frio
a geada
os pés
gélidos

a mulher que acena
em neve

para uma outra
que se vai
e acorda

a mesma
mesma

8/30/2007

tom

acaba de pousar em meu ventre
um poema

está coçando

procuro o sol do dia
escondido atrás do branco
chuvoso

alguém disse que
o sol
deu as caras

a cortina continua morta
o chão cheio de pêlos

um vestígio assombra
o meu ovido

arrasta-se em granidos
forças opostas
o denso movimento
que acelera entre
nossos corpos

a sua flor salvou o meu quarto
da escuridão

a sua peça
as roupas que te escondem
me trancam

quero falar com
a sua pele

mas a porta é um colar de péroloas
anéis, furtos
preços, tábuas
barras de metal

para te ver

quero seu júblo uivando
meus seios

quero a dança monótona
dos seus dentes
ruidosos
peramulando as minhas noites

procuro
a sua sobra
pelas laterais de um suspiro

e na casa
a casa que habita
a rouquidão de uma ausência

a casa
cheia de guilhotinas
cheia de máquinas
rupturas

e o relógio do tempo
apavorando os cômodos

e o tremor das xícaras

e o fulgor

da campanhia que grita

sua parte em migalhas


juntando os pedaços

ao fundo

na procura pelo raio

se difunde

liquefeito como nossos encontros
em sono

um tom

8/27/2007

A flor e a Náusea- Drummond



Preso à minha classe e a algumas roupas

vou de branco pela rua cinzenta.
Melancolias, mercadorias espreitam-me.
Devo seguir até o enjôo?

Posso, sem armas, revoltar-me?



Olhos sujos no relógio da torre:
Não, o tempo não chegou de completa justiça.
O tempo é ainda de fezes, maus poemas, alucinações e espera.

O tempo pobre, o poeta pobre

fundem-se no mesmo impasse.
Em vão me tento explicar, os muros são surdos.
Sob a pele das palavras há cifras e códigos.
O sol consola os doentes e não os renova.

As coisas. Que tristes são as coisas, consideradas sem ênfase.


Vomitar esse tédio sobre a cidade.
Quarenta anos e nenhum problema

resolvido, sequer colocado.
Nenhuma carta escrita nem recebida.
Todos os homens voltam para casa.
Estão menos livres mas levam jornais

e soletram o mundo, sabendo que o perdem.


Crimes da terra, como perdoá-los?
Tomei parte em muitos, outros escondi.
Alguns achei belos, foram publicados.
Crimes suaves, que ajudam a viver.
Ração diária de erro, distribuída em casa.
Os ferozes padeiros do mal.

Os ferozes leiteiros do mal.


Pôr fogo em tudo, inclusive em mim.
Ao menino de 1918 chamavam anarquista.
Porém meu ódio é o melhor de mim.
Com ele me salvoe dou a poucos uma esperança mínima.

Uma flor nasceu na rua!
Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego.


Uma flor ainda desbotada
ilude a polícia, rompe o asfalto.
Façam completo silêncio, paralisem os negócios,
garanto que uma flor nasceu.


Sua cor não se percebe.
Suas pétalas não se abrem.
Seu nome não está nos livros.
É feia. Mas é realmente uma flor.



Sento-me no chão da capital do país às cinco horas da tarde
e lentamente passo a mão nessa forma insegura.
Do lado das montanhas, nuvens maciças avolumam-se.
Pequenos pontos brancos movem-se no mar, galinhas em pânico.
É feia. Mas é uma flor.
Furou o asfalto, o tédio, o nojo e o ódio

porta do paraíso


tenho uma agonia alinhavada no peito que é ancestral. brinca de ser deus e o diabo.me apavora.quem me vê, desdenha?quero comprar mais que pão.o tamanho do seu olho, me amedronta. esse caminho trilhado, essa bomba vestida de presente. você nunca liga se é tarde demais. fica devanenando as ceitas, oferendas, e me afoita enquanto só penso em bem dormir. essa febre que toma as ruas vestidas de cinza.os trajes pendurados no varal de uma moça que foi abandonada pelo marido.esperas.a sesta de quem precisa curar a gripe e se levantar. off para a janela turbulenta. off para a lâmpada de mais de 100 w. off para a geladeira que impregna a casa de ausências.off para seu conceito abafando o meu etômago.off para suas palavras que são faróis vermelhos piscando a epiderme. tecendo meu arranhão. off para tudo que não for abraço.off para o frio, para um dia a menos de bons momentos.off para os nós, as esperas.espera.espera mais um pouco.
*imagem: J.Beuys

8/23/2007

Henriqueta e Drummond...



A correspondência do afeto de Henriqueta Lisboa e Carlos Drummond que chegou a mim através do Jornal Suplemento diretamente de BH- Minas Gerais copio aqui, para delícias entre os poucos e especias leitores deste Blog:


"O seu livro chegou nos primeiros dias de inverno.Eu estava com uma gripe miúda, mas implacável-que até hoje me persegue. Instalada na minha cadeira de balanço, fui lendo o que você enviou.Além do Devaneio, tive o conforto de conhecer, devagar e detidamente, o balanço de um grande coração. Como pode ele transmitir tranquilamente, para lá, para cá, ente o viver quotidiano e as coisas inefáveis?"


Carta de Henriqueta respondendo e agradecendo a Drummond o envio do livro Cadeira de Balanço.



Outros Trechos de cartas de Henriqueta


"Minha avó costumava acordar a netinha tocando-lhe o rosto com uma folha malva. Você agora me saúda-irmão-com a mesma delicadeza de antigamente."



" Depois de ler e reler Sentimento do Mundo, quero manifestar-lhe a impressão que me causou este livro estranhamente sofrido, intensamente realizado. Não conheço, na poeisa brasileira, livro mais grave do que esse;nem mais sóbrio na sua plenitude artística, nem mais triste, na sua substância anímica. Do absoluto real, e só dele, se alimenta a sua poesia: grave, pois, pela força do elemento humano. Sóbrio pela concentração dessa força nos limites de uma arte impressiva, talhada a golpes firmes e fundos. E triste pela obstinação que o leva a refletir unicamente o lado cruel da existência. Talvez se explique o sentido da sua poesia à evidência de um choque entre cultura e civilização, se é que à primeira se condicion o espírito e à segunda matéria. Como poeta da hora presente ("Mãos dadas"), você raliza, com a sua arte seca e breve, uma espécie de balança em que se equilibram, de um lado, as nostalgias secretas de um mundo apenas entrevisto e logo perdido (" Havia jardins, hava manhãs naquele tempo!") e, de outro, a irretorquível necesidade de viver a vida quotidana, a vida de hoje, com todos os seus apetrechos de emergência"

A última lâmpada




Meu amor. Eu estou me desfazendo. Mantenha-se longe e eu me desviarei no primeiro vento.Montanhas. Você calcou, subiu, desceu, fez o que quis. Não aceitei, mas no primeiro dedo me joguei. Você quer que eu beije seus pés?Você não quer saber nada?Meu amor, o dia está acabando mais uma vez. Mais um dia sem o seu respiro perto. Você já esteve aqui. É com a velocidade e a absurdidade de um sonho, que você me toma. E é tão distante do real e próximo do sonho, que eu simbolizo matematicamente e milimetricamente suas aspirações. Estarei próxima enquanto você dorme.Nada passou.Meu amor, sinto que um pouco de mim já se dilui na sua demora. Vou transborando entre os deus dedos como grãos frios e finos de areia, me esparramo, você pisa, pisa, pisa. Eu juro que plantei mais flores. Mas as suas raízes é que povoam as escadas da casa. É a décima vez que não sei se sigo a placa, ou afoito a sua presença colada entre os dedos do meu medo.A sina prorroga suas entrefaces, eu te assisto na tv. Você passa o brilho dessa estrela fantasmagórica em muitos quereres. Meu amor, a culpa é minha de te querer ainda? Meu amor, mais uma vez, a última luz da noite na mais dolorida janela da vizinhança é a minha. Suas fotos estão a prontidão. Seu elixir reside no meu suor, eu tenho certez. Quanto tempo já durou o seu orgasmo com outro álguém?Meu amor, a única lâmpada que iluminava a cama está se apagando eu estou com muito frio.

8/20/2007

"lista de coisas brancas*coisas que podem ser, que parecem, ou que eram brancas



arroz.açúcar.nuvem.sal.caderno novo.tontura.neve.pérola.céu nublado.sussurro.borracha de apagar.concha.minha geladeira.cabelo branco.vermes.pasta dental.eco.naftalina.dia de sol forte na praia.ovos.morte.tinta de parede.vômito.guarda-pó.cocaína.maionese.roupas de médico e dentista.larva de inseto.dados.pasta d’água.remela.papel.nervo.página.palmito.branco do olho.máscara para pó.quando se esquece de repente.mingau de aveia.dor de cabeça.melão aberto.tempo que não passa.papel toalha.dentro do pequi.sabão de côco.caneta quando falha.vôo.pedriscos de aquário.farinha de trigo.alho.dentro da barata.polpa de fruta-do-conde.franqueza.ossos.quase no fim de alguma coisa.metade da zebra.pelicano.glândula parótida.anseio.sofá.barba.arrepio.miolo de pão branco.sêmen.dentro da semente da fruta.esqueleto.rabo de macaco comodo.guardanapo.couve-flor.insônia.sulfato de bário.cimento branco.iceberg.dentro da maçã.falha.travesseiro.gaivota adulta.urso polar.máquina de lavar roupa.dentro da jabuticaba.magia branca.forno microondas.leveza.roupa delutador de sumo.marfim.entre a polpa da laranja e a casca.cabra-das-neves.flor da figueira-do-inferno.cegueira segundo Saramago.quando a unha cresce.papel higiênico.leite.neblina.dentro do travesseiro de penas.faixa de pedestres.saudade.instante antes do desmaio.saco de leite tipo a, b, c.ovos de siba.legenda de filme.shampoo.varinha de condão.plâncton.cano de esgoto.farinha de mandioca.pólo sul,mosquiteiro.nudez.copo de plástico descartável.interruptor de luz.glândula mamária.cursor.talo de couve-chinesa.desejo.lacre do vidro de requeijão.pólo norte.borboleta.bola de golfe.gás lacrimogêneo.elefante branco.buda.barriga de pingüim.chuvisco de tv fora do ar.flor de heléboro.creme para cabelo.atrás da foto.algodão.paz.secreção nasal.vestido de noiva.pele de quem não toma sol.fumaça de cigarro.sabonete.chocolate branco.ovo de piolho.creme de espinhas.flocos de arroz.talco.bolor de pão.iglu.caspa.flash.nabo.areia de praia.cheque em branco.dente de leite.prédios públicos.leite de magnésia.filhote de urubu.gaze.avião.flor de feijão.coruja-das-neves.dunas.substância gelatinosa de ovos de sublingual.deserto.cal.gato branco.pensar demais.protetor solar.espaço entre as linhas escritas.prato de porcelana.horizonte.requeijão.fantasma.gordura vegetal hidrogenada.lençol de hospital. Coelhos.salada de repolho cru.saponáceo.luz.nosso carro.estrelas.animais albinos.

*parte do trabalho de Raquel Stolf "Lista de Coisas Brancas"



"Houve um silêncio. O entardecer escurecia a sala. Sem ruído, com pés de prata, as sombras vinham do jardim. As cores desmaiavam, desprendiam-se lentamente das coisas"

Oscar Wilde, O retrato de Dorian Gray, p.93
feche os olhos
e me abrace

a cera endureceu
estou tonta
entre os pés
faíscas

entre as unhas
sobras de uma mulher
que escorreu pela cadeira
se remontou
e ao invés de brotar
é fel em terra
é fel que escorre

é fel de grito comprimido.

Viva
a planície de uma janela
limitada
uma reivenção
dos galhos aglutinados
de ruídos

eu estou pó hoje
assentei entre as mobílias

e estou seca

sem passagem para falar
farfalhar

feche os olhos
feche

quero ouvir você rir

estou
no seus olhos fechados

quando me abraço

8/15/2007

Gullar...Gullar...ar..ar

PRIMEIROS ANOS

Para uma vida de merda nasci
em 1930
na rua dos prazeres

Nas tábuas velhas do assoalho
por onde me arrastei
conheci baratas, formigas carregando espadas
caranguejeiras
que nada me ensinaram
exceto o terror

Em frente ao muro negro no quintal
as galinhas ciscavam, o girassol
Gritava asfixiado
longe longe do mar
(longe do amor)


E no entanto o mar jazia perto
detrás de mirantes e palmeiras
embrulhado em seu barulho azul


E as tardes sonoras
rolavam
sobre nossos telhados
sobre nossas vidas .
Do meu quarto
ouvia o século XX
farfalhando nas árvores lá fora.

Depois me suspenderam pela gola
me esfregaram na lama
me chutaram os colhões
e me soltaram zonzo
em plena capital do país
sem ter sequer uma arma na mão.

(Buenos Aires, 1975)

8/10/2007

*Um dia no escuro



“Meu amor, estou esperando por você. Quanto tempo dura

um dia no escuro?

Ou uma semana?A fogueira se apagou e eu estou com muito frio.

Deveria me arrastar até lá fora, mas haveria o Sol.

Estou desperdiçando a luz nas pinturas e escrevendo

isso.

Nós morremos. Nós. Morremos.

Morremos ricos de amores e tribos, sabores que

engolimos, corpos nos quais entramos e nadamos como

rios; medos que escondemos como nessa caverna triste.

Quero tudo isso marcado no meu corpo.

Nós somos os verdadeiros países,

não as fronteiras nos mapas, com nomes de homens poderosos.

Eu sei que você virá e me levará

para o palácio dos ventos. É tudo o que eu queria.

Andar nesse lugar com você. Com amigos.

Uma terra sem mapas.A lâmpada se apagou e estou escrevendo na escuridão."



*Carta-parte do roteiro do filme " O paciente Inglês"

Apareça*



Apareça.
Por favor, apareça.
Antes que as migalhas
desta aberração
que vejo no espelho
torne-se mais um esboço
do passado.
Antes que eu nasça
como um vendedor de caldo de cana,
um mestre argentino de tai chi chuan,
um policial, um papagaio,
uma cantora,
um indiano que rouba água.
Antes que o tempo
te traga de novo
sem o aviso de que teu toque
abre caminhos de dor e insapiência.
Surja
na simplicidade
de trinta minutos,
não daqui a três mil anos.
Traga as malas no carro
para ficar
para não me dar
perfume à perfídia
que é dizer
até a próxima
encarnação.
*Enzo Potel

8/07/2007

O quarto- César Félix- uma alegria por aqui!






O primeiro quarto estava sujo
o cobertor confundia-se a uma toalha
molhada de poesia e no espelho
a última declaração de amor

O segundo quarto não sabia as horas
de pedir desculpas
dizer adeus, amar

O terceiro quarto partiu
levou junto duas caixas de livros
uma caixa de brinquedos
e um saco de memórias

Tudo cabia numa carroceria
velha e empoeirada

bem ao lado...um retrovisor quebrado
para que não pudesse
olhar para trás


O quarto estava triste
os livros entreabertos
os bilhetes rasgados
o coração partido

e um ventilador ligado
para que não pudesse
juntar os pedaços

8/04/2007

Documento de saída

Insisto na inútil resistência
De sentir seu perfume entre
Os jasmins de plástico, no vaso que enfeita a janela
Abandonada por mudanças

(...Só eu e todo os papéis do mundo sentimos sua falta)”
Mia Vieira


Vou escrever este documento, porque talvez um dia você possa passar os olhos por algo que tenha as minhas palavras implícitas, ou talvez alguém te conte uma história como essa.
Este é um documento de uma morte que brota na fresta de uma porta fechada. Você já ficou abismado, sem saber para onde ir, olhando para sempre a porta, que já esteve escancarada?Esperando a sua chegada? Embora eu pareça um totem de força e alumínio bruto meu íntimo é aquoso e cremoso, eu sou quase inteira pastosa a primeira palavra. Depois desta sua fuga ando debatendo por todas as paredes o por que de você ter aparecido. O por que de eu lembrar ainda com dor os seus traços já sem mim.
A sua fuga desata qualquer nó e qualquer laço. Embora as vezes eu também quisesse ser uma amarra sua, assim talvez você perderia mais tempo tentando me desatar e assim permaneceria mais preso aos meus apreços, mais atento a mim. Mas desde o início nós sempre voávamos como proposta ensolarada para os dois, seria injusto agora eu querer ser um barbante amarrotado para estar próxima de você.
Com o tempo e a esperança plantada no peito de quem você tem vontade, você sai com um cesto cheio. Quem tiver um belo sorriso leva do seu fruto. Você percebe, faz perguntas, e toma nota no seu questionário, qual foi a bela moça que ofereceu um abraço em troca de uma cesta vazia. Você é o rei de fazer mais feliz a qualquer mulher: segurança, taipa, veleiros, suspiros, vinhos, planos de viagem, jangada, paisagens e florestas.
E, no entanto, ao primeiro momento de tremor no barco, você não divide o medo não ata os braços, não se preocupa. E chegam de civilizações opostas, mais mulheres infundas que querem experimentar das suas cestas de oferecimento. Você sede a mais um contrato de prazer, e embora fale gostar de voar, você se diz preso a tudo outro, menos a mim.
Em meio aos maremotos amarelos, você expulsa as outras anciãs fica confuso e se tranca sozinho nas ruínas do que construiu. Novamente, não me dá a mão. Foge, foge como se não tivesse prometido passeios, como se não conhecesse mais o meu corpo, como se não tivesse falado as esperas, como se não tivesse dito epígrafe s de grandes amantes, como se nunca estivesse inteiro ali.Você não falou que estava. Mas o seu silêncio e o seu suspiro em mim me davam a certeza que sim. A sua fuga rompe todas as vertigens prazerosas que nós atingimos entre goles e línguas. Você fez brotar algo neste deserto árido e seco, uma terra que há muito não havia nada, mas você coroou jasmins em uma planície airada entre os meus seios. Conseguiu obter umidade e nutrir a pele.
A sua fuga é como a dor de um filho desaparecido.
Este documento é para que em qualquer lugar que esteja, antes de sair, nunca plante uma constelação nos olhos de quem ainda não conhece a luz

8/02/2007

Caderno de Sonhos



Esses dias, aconteceu que eu achei um caderno de poesias que tínhamos quando ainda estava no Ensino Médio. Éramos um quarteto oficial movidos e apaixonados pela palavra poética..Um tanto precoces, eu diria, porque o material tem raiz forte, e eu tenho certeza que este caderno trasformou todos que a ele pertenceram e vice versa..Com a vontade de descobrirmos a poesia que nos habitava, mal sabíamos nós que estavamos em estado de graça acolhendo passagens belísssimas e tão verdadeiras experiencias puras das escolas poéticas que estávamos imersos. Em cima do telhado, escalando morros, rindo de bicicleta pelas cidades vizinhas.
Árcades, sonhadores, bucólicos, profundos, amigos , espelhos e tempo, que no reflexo ainda me leva a mágica aventura de sempre ter amado a palavra..

Salve a poesia, e a sensibilidade de seus meticulosos amantes do mistério que a envolve.



Sonho

(Rodrigo Azeredo)


Queria agora escorregar as encostas

[dos meus pensamentos

Desejaria comer aquelas framboesas rasteiras

Que só tem no décimo quinto sonho da

[noite passada

Queria também sentir o calor de Marte

Ao invés de cozinhar em sua superfície.


Quando estou sonhando posso viajar bastante

mas não sinto nada

não consigo

mesmo querendo


Meu espírito não tem tato

Não tem nada

E eu não posso sentir aquilo que mais

[queria

8/01/2007

Parati*




Era uma cidade insituável e de cores cambiantes aquela, o território que subvertia os sentidos: o dia projetava tons lilases e o prateado dos astros; a noite incendiava a ponte de amarelo solar, a irradiação de um fogo primitivo.
Era a cidade das estrelas próximas: esbarrariam nas torres altas - se estas lá existissem, se tivessem sido erguidas por um monarca excêntrico. Era a terra do vento espaçoso, do ar marítimo adocicado.
Atravessei a ponte e virei o rosto admirando o balé das sombras na calçada. Bamba, lancei meus cabelos como quem atira desajeitadamente uma rede ao mar, transformando meu corpo num manto embebido de letras, de prosa reverberante, da poesia declamada nas praças.
Sorri para uma câmera imaginária que captava de Júpiter, do mar ou da esquina mais próxima, a graça ligeira do meu corpo para eternizá-lo num quadro a ser desvendado pela arqueologia futura.
“Observem a aparente falta de peso dessa figura ancestral”, diriam os homens ulteriores, intrigados com a levitação dos corpos tomados de contentamento pleno.
E eu, no tempo pretérito mais-que-perfeito, airosa e desfragmentada em luz, escutava as perguntas de Davi num idioma incompreensível e alheio à mímica dos olhares perdidos.
“Está tudo bem? Quer ir a algum lugar?”, inquietava-se cuidadoso para, em seguida, dar-se conta de que outro lugar já não havia. Lá fincaríamos a estaca de madeira maciça, símbolo do fim da procura, sinal que legitima a posse da terra desde sempre destinada aos poetas, aos insensatos, aos de parte alguma.
Eu ria e ria. Ria de vinho e de pertencimento. Ria para Bel com sua blusa amarela a repetir a cor dourada da cidade-farol. Ria, enfeitiçada por seus brincos orbitais – duas mandalas feitas de rede de pescador –, embriagando-me de seu desprendimento cigano, de sua sábia alegria sofrida. Contemplava o deslizar de seu encanto para Lúcio, que o aceitava como quem recebe um presente delicado: abrindo os braços, girando o corpo, gargalhando do absurdo da vida, sem nunca comprometer o equilíbrio do chapéu havana, prestes a nos exibir um número de sapateado.
E uma vez mais Davi surpreendia meu olhar volante, meu rosto diluído nos acordes da canção inaudível, meu vulto impregnado do ar liquefeito dos canais. E então eu me condensava em torrente cálida, para lavar a alma e as calçadas, para infiltrar-me no vão das pedras e assim permanecer, eternamente sábia, definitivamente louca, a me alimentar das luzes transitórias, do vento temperado pelas algas e peixes.




*Carla Franco e o seu lindo sorriso.

7/31/2007

A caixinha preta




Coloquei voce numa caixinha preta. Você fica pulando, querendo abrir a tampa.Eu tapo os olhos de quem quer ver a caixinha, mostro sua foto, estampada na tampa. Mas não abro, porque de repente você fica grande e toma o espaço do meu corpo. Pulsa inteiro. Tranco você.As vezes você dorme e tudo parece música em mim.Você vibra, mesmo quando dorme, mostra que está vivo. As vezes faz ganidos, e eu sei que você fica assim porque tem muitos quereres amputados.As vezes você sai e quer mudar de vida,tenta pular entre a boca do meu estômago e dançar no meio do peito, e o seu riso é tão solto e com tanta vontade do mundo, que eu tenho vontade de te tranferir para outro lugar. Mas a sua ternura escondida e o calor que faz a caixinha em mim, não me deixa alargar a base, você só pode sair quando eu deixo. Mas as vezes você grita e apronta uma peça, eu acabo dando corda na caixinha e você fica rodopiando livre. A sua liberdade me seduz.Fico feliz alguns dias quando você desliza até a garganta e se mostra vivo em mim. A minha fala tem o desenho da sua voz .As vezes você apaga a luz.Um comando aí de dentro que só você sabe.Eu aceito, também gosto do escuro, fico tentando te achar pelo cheiro.Abro a caixinha, e penso que você saiu para passear, mas você volta atado em um cavalo galopando com força, arrancando as fitas e abrindo a caixa,virando a placa, que sempre teve o seu nome escrito em um registro.

O homem que te contém


Ario as panelas. Removo toda a crosta de gordura. Lavo as mãos nessa pia fria, a água pedrifica gélida, me possui. Entre falas femininas o frio se evapora.O homem que te contém me ama. Mas entre suas angústias e medo, o homem que te contém guarda no íntimo dois travesseiros de penas e pregos, um com o seu nome gravado, outro com a imensidão do tempo que tomou uma forma de dor lembrada toda noite, uma herança de séculos que ninguém sabe direito de onde veio. De um não. De uma facada. Mas o homem que te contém nada me fala. É o silêncio completo de suas noções do mundo, de suas angústias e infirmezas que não me exposto,amedronta.Não quero ver suas andanças livres pelas matas, quero saber se você tem medo do escuro e se quando chora, tem vontade de dormir para sempre. Quero saber se como eu, você chega ao cume da montanha e tem vontade de desistir, só para ter outro objetivo a vista. Só para começar do zero.Só para estar indo atras de alguma coisa. Quero saber se você tem vontade de voltar a primeira vez, e se muitas vezes você queria se conformar com algo só para não ser vítima da ansiedade. Se você camaleoa por dentro, se você absorve o zune das crianças com fome que habitam a Angola.Se você escuta canções de ninar, e tem vontade de ver o mundo com o mesmo espanto que uma criança.O homem que te contém, queria voltar para tentar ser outro. O homem que te contém tem vergonha.O homem que te contém conta as suas peripáceas em sonho.O homem que te contém atravessa as janelas do mundo para me possuir.Me apalpa e me coroa fada de um jardim de tritezas que doram superadas a quatro mãos e quatro pés.O homem que te contém não é você. O homem. o homem me mostra espaços entre o céu.O homem que te contém me abraça.


7/24/2007

Extra!Extra...para a vida, notícia atual e curiosa

Entrar no portal Enzo

http://www.contodefacas.blogspot.com/


Mais uma vez sempre cintilando este artista. Com um pouco de vida e muito de peculiaridade e unicidade.Está tudo ali..a um passo de se ver...

Extra!Extra!

Nesta QUINTA
dia 26/o7
na livraria alternativa Casa Aberta (rua lauro muller, nº83)em Itajaí,
a poetisa Ryana Gabech irá fazer sua performance poética "TRÊMULO: o corpo som do poema"para o encerramento da Oficina da Palavra Cidade-rio.
Contribuição de R$3,oosó pra quem tiver condições.rs..rs....
de brinde de surpresa e presente leva a performance poética de Enzo Potel
"O que nos aconteceu amanhã?"

quem tiver olhos de ver, sentirá.

7/19/2007

Para a parede do seu quarto

E de repente
tudo a sua frente
vai sedimentando
em um enorme espaço negro

e o que se vê
são suas duas mãos
cheias de marcas

marcas de corpos
entre suor e sal
sementes que desejam brotar

duas lembranças
de suspiro e água
o círculo que movimenta
suas falanges e suas vitórias

o círculo que roda
o tempo
a água que invade
a lavagem dos seus sonhos

a paisagem que habita
entre os seus dedos
quando tocam no chão

perante o cais
perante o abismo
perante a camada de ozônio

o desejo de paz

entre suas duas mãos
o buraco negro

o reluzir
o reluzir

de uma estrela
que escolheu o seu íntimo
e as suas mãos
para habitar o mundo

Paraty


Paraty


Um homem imita um gato
uma lesma piedosa
desenha o chão
fica presa nas pedras

janelas com horizontes
de mais janelas

canoas
igrejas e doces
esquinas
grandes aberturas para o ver
azul e amarelo
branco cinza
raspagens
buracos embelezados
e paredes mais firmes que o pilar

portas abertas
palavras manuscritas
que passeiam
silenciosas
entre os objetos

nomes já sabidos
registrados na primeira
e última passagem

balões multicoloridos
crianças
cachorros
trogloditas
umidade

risos soltura
leveza e tropeços

caminhos

uma poça deixada pela
maré
que subiu

duas poças
um espaço
e um banquinho
para sentar
e se deliciar
*foto eu entre as flores que encontrei em Paraty:Lays, Aninha, e a Deise Pacheco que fotografou!Bjos

Já passou

Já passou


e o hálito do seu arrependimento
atordoa
como um sangue de menstruação
velho e fétido
impregnado na calcinha sem troca
Ele parece
um cão
todo sem rumo


e você agonizando
exige
e chuta
o cão
o cão

o cão

Rói o rato

E os ratos da sua casa eram tão gordos que andavam rebolando devagar e sem pressa. Entre já os chumaços de pêlo branco, os vizinhos se perguntavam se era uma rata prenha, um rato velho ou uma raposa bem vivida.

7/07/2007

Seu nome escrito
na porta do quarto

pedras
pedras pedras
até chegar a sua casa
seu quarto
sua cama

sua marca
sem sua presença

barcos presos no cais
a sua alianca brilhante
presa ao dedo

com vontade de romper
na minha direção

seu afago
e o furor do seu corpo
que difuso
ao meu
após
me impediu
de sorrir

você está atadado
o quarto está vazio
mas está cheio de você
pelas paredes

e o seu ar vem assombrando
entre os estrados da cama


me atormentando
me atormentando

você está ancorado
mas não está seguro

você está aliado
mas não tem mais prazer

minha aliança é o barco
já pequeno na lonjura
desancorado

afundou

eu sou um barco
tufão

criei musgos de partidas
que nunca partiram em mim

criei uma crosta de proteção
que no iníco era uma segunda pele
fina e tênue
e levantei o rosto
fingindo ser de louça pálida


mas a a verdade é que seu barco no cais
arranhou as jangadas
e a paisagem livre

que eu dançava solta

você me puxou pro mar

e o verde se alastrou em vermelho
um vermelho que me cegou
me fez perder os passos
confundir os pés

não estou olhando para cima hoje
não, não vou ver lua

só vejo esta crosta
em brancos sujos
se derretendo

me deixando mais uma vez
nua e com frio


só vejo o cais
e o seu barco
preso na âncora

me corroendo de vontade

longe de mim

6/29/2007

Trêmulo

Vozes que ocupam
Todo encanto
Que quer pairar

Vozes que seguem
Falando em silêncio
Ruídos
Ranços
Pratos
Acordos de discórdia
Tratos
Em tentativa vã
De permanecer

O tremor que aflige
No querer segurar
E no precisar soltar

A planície que grita
Uma mensagem
Ao léu

Duas heranças de choros
Inconsolados
Risos que nunca terão
O mesmo som
E a mesma doçura
A bravura que atordoa
O mundo
a pena
A pena do ser sobrevivo

O ruflar de suspiros
As gotas prometidas
E borradas em uma assinatura

Os júbilos
E os fracassos
A auto-amarração
O breque da despedida
As peças sem concerto
A ofegante chegada

gavetas e a prateleiras
Escondidas na memória da estante

As imagens e os batuques
Lanças que atravessaram
Em mim

Quantas vezes o choro
Me apalpou
Quantas mãos que trouxeram
Enigmas
Bússolas
trilhos
e entradas

Tremo para o maior
Tremo para o menor
O que me causa
O que me oscila
O que me arranha
E me suspende

Tremor

O que há pode detrás do ver

O trinco do vidro
Que nunca quebrou

A peça faltante

Tremo em faíscas
Tremo em incertezas
E em certezas

As vozes as vozes ocultas
Que o mundo deserdou
Estão contidas
Nas palavras exprimidas
Da minha mão
Entre uma folha
uns dedos
E a tinta

A tinta que borra meus ideais

Na venda
No morro
Um olho que me mancha
Com amor
E as mãos do senhor
Que conta os pães

As mãos que cometeram uma infâmia

A pedra
A pedra
Que preenche o caminho
Com marcas de sombras
Deixadas pelo sol

O andar ao cume
O descer a lama
O mundo me treme


O menino assustado
Do tráfico

Trêmulo

As vozes das coisas
Que estão ocultas
Ao primeiro toque

E que confessam a fusão
Trêmulo

O medo de querer alcançar
E as pernas bambas
Da chegada

Armas que se fundem
Brilhos que encantam
Para a morte

Balas de luz
Êxtase no escuro
Línguas
Desafios
Canos e granadas

O que você esconde
E o que você mostra
O que você finge
E o que você é

Uma palavra que ama
Uma raiva que perscruta
E atinge com fuzil

Um afago e um corte

Um tapa e um arranhão
Um olho sem vida

Trêmulo

Suas armadilhas
Suas emborcações

Sua justiça e sua injustiça
A partir de si

Vendas que vedam a voz
E a voz treme

Como um bater de palmas
Um aplauso
E um gargalho

Espaço vazio

Uma coleção de borboletas
Mortas
E uma luz que arregaça a janela
Em vibração

A voz corroída e cansada

Que espera no canto de todo
Íntimo

Um canto
canto

Trêmulo

Açúcar e fel
Na mesma receita

6/27/2007

O vidro de choro verde





Essa chuva verde


teu travesseiro acaba de chorar


chora folhas


molha os tecidos

torce em pingos

verdes pingos


essa fragancia

que quebrou

junto à morte

de uma margarida

em vaso de plástico


uma margarida que

se dissipava no vento


e o frasco do seu choro

transbordou

dos olhos


todas as matas

que escorreram

o verde


que tomaram


a chuva


e alagaram


tingindo a mancha


de uma mata devastada


dentro de ti



foto: Fernando Angeoletto

6/19/2007

Travesseiro de estrela-*





calma estrela


que preenche o seu travesseiro




ao descansar você abandona


as manchas


da parede




procura buracos no teto


para conseguir




dizer


a


deus




nas suas manhãs


o alaranjado preenche


a varanda


e a lareira




o alaranjado iluminado e bruto


das manhãs




as madeiras cheirosas


que seguram a casa


me lembram


o abraço




o abraço entre seus pilares


suas intimidades


mais íngrimes




ficam fogem


das minhas mãos


e eu encosto entre o céu


e espero a estrela sair


do seu travesseiro




e estender no jardim


o sol


*Poema musicado por alegre corrêa


6/11/2007

Reconfissão






Posso ficar um pouco aqui para sempre?Aqui, grudada nesta cadeira com o estômago vazio?Você me perdoaria?Parece que estou presa na cadeira até terminar de pensar. Você me amaria mesmo eu sendo a ferida que mais te arde?Você me perdoaria se eu desse as costas enquanto você fala uma palavra em florescência?Você seria capaz de ver que apesar de te cortar, meu infinito por você é maior?Você aceitaria saber que o que tenho para você, é de rara beleza cristalina e que está atrás de colinas entre arbustos árvores e folhagens, e que eu me aventuro poucas vezes para não perder a essência do sagrado entre nós? Você deixaria eu ir embora sem sentir vontade de voltar?Você entenderia que vivo a transbordar pelos cantos e que explôdo inconsciente?Que não consigo segurar o murro, quando ele me brota?Você pode me aceitar em pedaços?Em sobras de mim?Em cascas de mim?Você me amaria mesmo assim?Você beijaria aquilo que mais renego me fazer parte?Você seguraria minhas duas mãos e tentaria achar e me salvar do precipício?Princípio. Você e seus dedos de faca.Você e essa nuvem regada de tempestade, o seu regador é contínuo, é forte, não cai. Você rega o ferrão. Você alvoroça a primeira carniça livre das amarras. Você prende os pássaros e ata com laços de fita de cetim lilás o bico do passarinho. Você fica olhando o sofrimento e se vangloriando de não ser você o recorte da morte. Você é cheio de escárnio no pensamento. Você brota mau cheiro e enterra a semente no barro seco de uma estrada sem passagem.Você trama, você grita, pede socorro, mas não consegue atender a mudança esmurrando incansavelmente sua porta de entrada. Você foge dos sorrisos mancos.Você não aceita meu sorriso escancarado porque ele é cariado e desinibido.Você quer ver onde estão minhas obturações?Você ainda consegue rir junto ao meu riso doente de expectativas? Eu queria ir sem a culpa de te despedaçar.
Posso também não ir embora. Vou voltar a te confessar isso. Você perdoaria meu silêncio?Você aceitaria minhas raivas espontâneas com o mundo, e minhas pequenas risadas sem limites de expressão?Você está vendo que no meu sorriso sobram cáries?Cáries de discórdia.Você afagaria meu rosto e me ofereceria o peito mesmo eu tendo quebrado seu plano mais promissor?Você me ofereceria um copo d'água e um abraço caloroso mesmo eu sendo condenado ä prisão perpétua?Por um crime hediondo?Eu queria ser clara e límpida como a água de um riacho que corre, corre, sem desespero ou revolta, sem alvoroço de chegada. Mas sou do lodo e do líquido, do delimite entre gasoso e líquido, sou porosa, penugenta e medrosa. Sou sem fim. Você aceitaria minha não certeza?Minha não absoluta certeza?Você aceitaria meu muro de areia movediça?Você ainda me amaria em sua cama, mesmo eu tendo explorado seu último e único centavo?Mesmo eu deixando as dívidas da minha família para você pagar?Você me amaria como no fim de nós dois?Você me perdoaria se eu revelasse que o meu desejo maior só se entrega a você quando estou com os braços presos e os olhos com dúvida?Você passaria os dedos entre minhas pernas mesmo que eu te desmoralizasse no seu bairro inteiro? E diante toda sua Cidade?Você possuiria ainda amor por mim?Você me desejaria se eu cuspisse em suas jóias, arrancasse suas vestimentas e fios de prata e despisse sua ironia a la uísque?Você aceitaria me penetrar olhando em meus olhos mesmo não me querendo para sempre?Você se despiria também de seus deveres e caçaria borboletas comigo, mesmo eu pondo o pé para você tropeçar?Eu matei uma esperança, você ainda me ama?

Você aceitaria que eu vim de um fracasso muito fundo?Daqueles em que se vive o brilho e a fenda.?Desses fracassos que ficam expostos a olho nu, sem remédio aparente. Desses fracassos que ficam esperando a cura. Eu ainda não sarei. Você amaria um enfermo de sentimento?Um enfermo de sentido? Você ainda tem raiva de um próprio passado?Alguém já te bateu em hematomas azulados por dentro? Alguém já te abalou e você ainda dança em cascas de banana o tempo todo? Você também tem um nó de lã gasta e fios embolados como eu? Você me perdoaria se soubesse que quando você me renegou eu te desejei a infelicidade suprema?Sim, eu desejei que você nunca mais fosse feliz. E que quando eu saí da sua vida tinha tanta certeza que não queria mais ver o seu olhar e nem a cor da sua pele, e que hoje eu daria o mundo para passar a mão no seu rosto, mesmo que você já estivesse com os olhos fechados. Eu ainda queria me ver marcada na suas costas. Você ainda me amaria? Você ainda sentiria o mesmo sentido de muitos anos atrás? Mesmo eu sendo este estorvo que ainda almeja o ontem?
Sabe, que muito tempo eu quis a frente, o depois, o futuro e daí eu não soube rir mais do que maldizer. Você me perdoa esse amor que roeu? Essa raiva em blocos que eu te jogava no ar, que eu te pesava as ventanias?Você também errou?Você ainda acha meu pior defeito apenas engraçado?Eu não encanto mais você?Você ainda encanta a mim.Você ainda quer me ver sorrir?Você deseja que eu seja realmente feliz?Você sorri como antes?Com a mesma doçura e pureza? Quem é você?





foto: mtfoliveira.blogspot.com

6/06/2007

Longa caminhada por um poema



quero um poema que junte
todos os meus caquinhos
que me desenhe
em pedaços

pedaços que se ausentaram
lascas irregulares
lascas arrancadas
de uma parede
abandonada

quero um poema
que arranhe o sentido

que permaneça
verde em dois
como os olhos mata
amanhecendo em sol

quero um poema que
tenha dentes para sorrir
e caninos para defender
sua esteira de palavras

quero um poema que escorra
nos cabelos
como um banho de lama
açaí e ardor

quero um poema
que fique entre dois corpos
uma só passagem

quero um poema que costure
uma ferida

um poema
que carregue todas as linhas
bordadas em roupas de passagem
roupas que abrigaram o íntimo
e o desconhecido

quero um poema que amacie
o sono
mas que
lembre em penas
a leveza de ainda
dedilhar versos

quero um poema que cante
uma chegada
que assombre a cama do quarto
com tremores vivos
de quem geme o prazer

quero um poema
que piche o horizonte
interno

um poema que grite
no outdoor da avenida principal

eu desejo um poema
que fale o poeta
falando o mundo
pela televisão
em vinhetas coloridas
e banais

quero um poema
em goles bebida barata

e quero um poema com
instruções de uso
para aqueles
que não tem dedos
sutis
para acolher
a poesia


quero um poema
sem dores nos braços

quero um poema com fartura

um poema que não fale
um problema,
mas que descanse os olhos
e a alma
de quem lê

um poema
que fale ao bueiro
e à Imperatriz

que diga a qualquer um
que exista e esteja vivo
vibrando

que fale como um ser vivo
que mostre o sapo morto
e que cheire o chorume das ruas

um poema que traga um suor
e um gozo
um transpiro
e um respiro
e um vôo livre


brinde


em um momento


de prisão

que não hesite em virar
em todas as esquinas

que sobreviva a calçada
e a dor do amor
um poema que ocupe
um lugar concreto

que ocupe uma cadeira
em algum lugar
do mundo

um poema com a certeza
de uma descoberta
e a leveza e liberdade
de um vapor cheiroso

um poema que descasque uma fruta

um poema que amarre as mãos
de quem não é feliz

um poema que faça ver um cego

um poema oração permanente


sussurada


a cada momento do dia


sem precisar


ajoelhar


um poema sem janelas
e com toda a paisagem

sem maneiras de dizer


sem pudor
ou baton

um poema que corra ao meu
lado
que acompanhe a travessia
em silêncio

um poema sem vergonha
de vestir
e despir

um poema sem afirmação
um poema que conviva
no barulho da chaleira

que converse as águas que
escorrem da louça

um poema borrão do chão

um poema que assente como a poeira
no porta-retrato

com uma pulsão
sacudida

um poema com uma dúvida
que pertuba e desperta
imediatamente

que faça andar a quem está imerso
no parado


que faça rir


a quem quase está

que faça chorar
quem a muito tem amarrado uma vontade
uma confissão oculta
de jorrar todas as pedras
reunidas no meio do corpo
em líquido salgado
torrente que liberta

quero um poema
com uma camada de vento
e brisa
para respirar as ventanas
de quem precisa de mar
nos ouvidos

para aqueles que desejam
se encher
e se esvaziar

quero um poema que aja
como um grão de areia
grudado entre os dedos do pé

permanentes até a terceira saculejada

que coce
afete
trema

um poema chocalho
em notas sujas
e cheias
juntas


um poema-marca
que faça sentido a quem
mexeu
mobilizou


ou cortou


algo em si



um poema que leia


o olhar vedado


de um sonho


que esperou muito


para acontecer




e ainda está

uma poesia que dissolva entre os membros
do corpo

uma poesia que tenha pernas
próprias




que ande sempre


que nasce


cresce


reproduz




e reproduz


sempre




que console um desespero

que molhe as retinas gastas

que refresque a pele

e acene com alegria

e asas

todas as
chagas


redemoinhos


e escancaros
presos na memória




um poema que cure


a falta




que aceite a morte




que ensine a vontade




que seduza o paladar


que acalme com duas mãos


quentes


uma grande dor




que traga um copo


de esperança


para quem precisa


permancer




que distribua senhas


infinitas




para os que pedem socorro


para viver






foto sobre o trabalho de Pina Bausch

Nos corredores do CEART, Canabarro me contou....




"A arte é uma puta velha

ela te explora

até o máximo

até seu último centavo


mas o prazer que ela

te traz

é tão intenso e tão bom


que você fica viciado nela


o resto da vida"


Afonso Benetti


Ps-Tive que parar e anotar até o nome da figura....rs..rs..Porque nem só de dores-palavras se faz um blog...Com riso, alegria e café.Finalmente alguém me respondeu o que eu mais queria saber sobre arte (no momento).


foto Marina Abramovic
em Balkan Erotic Epic

Muro- de Enzo Potel


Parede de pedra, alvenaria, adobe, taipa ou tijolos que serve para vedar ou proteger qualquer recinto, grande ou pequeno, povoado ou não povoado, a fim de não ser assaltado

ou devastado.

O muro de Luccano, Itália, foi construído para proteger vila de mesmo nome, situada no alto de uma colina íngreme. Ambos, vila e muro, foram destruídos por tremores de terra em 1694.
O muro do Diabo, paliçada construída na Alemanha pelos romanos, foi elevado e guarnecido de torres pelo imperador Probo. Alguns restos ainda subsistem para a alegria das crianças na região da Baviera.
O muro feitiço de Rothbar não impediu que o príncipe o pulasse e conhecesse sua amada em O Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky.
A muralha de Sesóstris, no Egito Antigo, era frequentemente visitada por tempestades de areia, o que exigia manutenção especial. Em seus duzentos anos de vida foi mais atacada por vassouras do que por espadas inimigas.

Todo muro é uma mentira.
Todo muro é uma coleção de pedras no caminho, para propagar que houve aprendizado.
E teu olhar também era de muro. E quando abria a porta e me via, estava lá escrito:

“eu não preciso mais de você”.

E este muro frieza expelia ar glacial de palavras rasas, e sobrancelhas cobriam arrogância e rictus de escárnio. E eu parado, contemplando a inexata e última construção da paixão: esse estado de perda travestido de bom senso, em que um vingador de si mesmo tenta esconder com pedras

um jasmim.
foto:
Isadora Duncan e Pina Bausch

Se deixar tocar-Um texto sobre um sentido muito íntimo

Quando nasci Deus pegou uma linha e fez um laço, no meio do meu peito. Às vezes Ele aperta o nó.Às vezes Ele afrouxa minhas costas, enche o meu balão.Eu flutuo. Às vezes, e quase sempre, quando alguém puxa a linha, eu evaporo. Eu gosto do que eu sinto. Se eu te sinto bem, vou ser bem.Se eu te mal, meu espírito te expurga. Às vezes eu não gosto de ser assim, às vezes eu não tenho escolha. Por que isso, quem tem que responder é o criador e a criatura juntos, e não só um, ou só outro. É pela linha, pelo fio que já foi dito "nem um fio de cabelo cairá da tua cabeça, sem que Ele permita", então, ele tem um olhar sobre mim, e pode me ver no íntimo.Ele com visão integral, pode me afirmar. Os outros, podem só dizer. Então eu vou deixar Ele me mostrar. Se a minha linha arrebenta bem na sua vez, lá no meio de mim, algo reage.E eu não quero comprimir. Posso amenizar, mas não comrpimir. O que eu aprendi é ser. E conseguir isso é o cume da montanha.Eu já escolhi ser.Olhar o lodo, o denso e acariciar aquela parte. Aqui, diante desta terra eu posso sentir em meu coração alinhavado: apenas seja.Seja este fio que te amarra, que às vezes solta a ponta na escrita, solta a costura entre as tintas e as duas mãos.Quase sempre, venho pedindo à Ele que tire a linha. Por que as vezes a linha tem um peso, o peso de uma Cruz. Ora, eu não posso não sentir?Não posso desligar o sentido?Por que sentir dói?Às vezes, quando vem alguém com uma agulha e quer atar a linha, costurar, eu recuo. E ataco! Porque a agulha não foi feita para espetar, nem pra mexer na ferida. Quando ela vem, ela destina-se a costurar. Ou será que eu aprendi errado?Eu não espeto ninguém, se espeto, eu penso,"que Ele sempre esteja ao meu lado, para eu ser compreendida exatamente como sinto".Muitas vezes eu espeto, mas se eu sei o que houve, meu coração aperta, e eu tenho que ceder a linha.Se eu não sei, foi porque não consegui adivinhar, nem ler os sinais.Mas apenas "dos que sabem, o que sabem, vos será cobrado" Quase todo o meu sentido é " em nome Dê". Porque já disse das flores a mais bela: "fé, é fazer em nome Dê"Às vezes, Ele me dá o mérito de um sorriso avulso, pois eu peço muitos sorrisos.Eu peço também muita compreensão, porque com uma linha tão fina e estreita no meio do meu centro, não posso arriscar puxar o fio muito bruscamente, é delicado demais ter um coração alinhavado. E é preciso não alimentar redes.Quando tá muito apertado o sentido, a linha arranha, e eu peço muita força, porque as vezes parece que essa linha tão fina e estreita pode cortar a pele, aprofundar o corte. Daí eu suspiro, e ajoelho.Assim o nó dói menos.A linha que linha meu centro, é fragmento, é ruptura. A linha é bem fina e o meu centro às vezes não se deixa tocar.