8/23/2007

A última lâmpada




Meu amor. Eu estou me desfazendo. Mantenha-se longe e eu me desviarei no primeiro vento.Montanhas. Você calcou, subiu, desceu, fez o que quis. Não aceitei, mas no primeiro dedo me joguei. Você quer que eu beije seus pés?Você não quer saber nada?Meu amor, o dia está acabando mais uma vez. Mais um dia sem o seu respiro perto. Você já esteve aqui. É com a velocidade e a absurdidade de um sonho, que você me toma. E é tão distante do real e próximo do sonho, que eu simbolizo matematicamente e milimetricamente suas aspirações. Estarei próxima enquanto você dorme.Nada passou.Meu amor, sinto que um pouco de mim já se dilui na sua demora. Vou transborando entre os deus dedos como grãos frios e finos de areia, me esparramo, você pisa, pisa, pisa. Eu juro que plantei mais flores. Mas as suas raízes é que povoam as escadas da casa. É a décima vez que não sei se sigo a placa, ou afoito a sua presença colada entre os dedos do meu medo.A sina prorroga suas entrefaces, eu te assisto na tv. Você passa o brilho dessa estrela fantasmagórica em muitos quereres. Meu amor, a culpa é minha de te querer ainda? Meu amor, mais uma vez, a última luz da noite na mais dolorida janela da vizinhança é a minha. Suas fotos estão a prontidão. Seu elixir reside no meu suor, eu tenho certez. Quanto tempo já durou o seu orgasmo com outro álguém?Meu amor, a única lâmpada que iluminava a cama está se apagando eu estou com muito frio.

Um comentário:

Enzo Potel disse...

"Mas as suas raízes é que povoam as escadas da casa" lin-do

"Meu amor, mais uma vez, a última luz da noite na mais dolorida janela da vizinhança é a minha"
ma-ra-vi-lho-so

ótemo é ver a influência do Paciente Inglês nisso tudo.
bjonzon!