8/11/2011

Roubo de 100 livros de poesia na Lagoa da Conceição

Isto não é um poema.É um protesto.
Hoje, 12 de agosto de 2011, as 20:30 horas, durante o show de François Muleka, no Sol da Terra-Espaço Cultural, foram furtados 100 livros de poesia em uma mala de viagem,um netbook cce,um HD externo, um estojo de maquiagem, um baralho cigano, uma mochila de bordo, algumas calcinhas, blusas, casacos, carteira e dinheiro.
A mala de livros estava aberta e pesava 21 Kg.
A poeta não está ferida fisicamente.
O furto aconteceu enquanto ela ouvia o músico cantar. A avenida está povoada de vigias de condomínios de alto padrão de luxo.
A poeta tem um carro popular.
Não conseguiu pensar em roubo quando ia admirar arte de mais pura alma, de mais pura emoção.


A poeta não consegue ser feliz pensando que pode ser roubada.

Por isso paga.

Todos dizem que ela deve ficar feliz por não ter sido pior. Todos dizem para ela ficar feliz porque não levaram o carro.

Por que não levaram mais nada
e também quase nada sobrou, além da comida dos orixás.

A poeta fica leve quando pensa que os livros roubados, podem ter parado em comunidades da região da grande Florianópolis. E fica triste quando pensa que podem ser queimados, despachados em lugares úmidos...

A poeta fugiu. Está triste porque ia postar poemas contidos no HD roubado.
Outros serão escritos, mas hoje a poeta náo está.

A poeta não está.

10 comentários:

pacatatu disse...

a poeta está de luto pois perdeu as crias de forma violenta! Sinto muito pela sua perda...

jean mafra em minúsculas disse...

que triste, ryana. mas há, admitamos, alguma poesia em se roubar livros... aliás, há também sem se roubar calcinhas, não?!

entendo a tua indignação, mas não poderia deixar de ponderar um tiquinho por aqui... há uma dose de piada na minha fala, claro, mas, admitamos, há poesia também...

beijoca.

Ryana Gabech disse...

Jean!Eu também ri na parte dos livros, e chorei na parte do netbook.Tinha ganho ele ontem!

tatiana cobbett disse...

entre lágrimas e sorrisos a poeta levanta sua voz doce e faz soar em nós a indiferênça do humano.....
que as palavras contidas em cada página roubada possa encher de saber e calma a alma do gatuno e assim, mais sereno e sábio, faça cultivar no jardim da conciência a flor verdadeira e solte aos pés da poeta seu HD de sonhos

beijares doridos

tatiana cobbett

Gabriel Gómez disse...

Ryana... Que falar nessa hora?
Roubaram apenas a consequencia da tua arte... Nunca poderão tirar ela de ti.
Acredita nas coisas boas que agora virão... é o fluxo e o refluxo da vida.
Beijo, abraço e minha solidariedade.

Ad'Alberto Gonçalves disse...

Ryana, ainda bem que o essencial é invisível aos olhos, dizem. Fica aqui minha solidariedade tbém. Beijos.

Thesis Writing disse...

Thank you for sharing such relevant topic with us. I really love all the great stuff you provide. Thanks again and keep it coming.

Serrano disse...

Anda meio mundo a roubar a outra metade

helen ps disse...

Ryana, cheguei aqui por acaso, folheando os blogs.

E leio a indignação de poeta que se vê furtada e invadida. Entendo.

Também escrevo e tive meu notebook furtado no ano passado.

Não chorei pela máquina, pois essa a Grande Lei me ajudou a substituir, em mais breve tempo do que eu esperava.

Mas chorei pelo material que estava arquivado, pelos poemas não postados, ainda em desenvolvimento, pela invasão à minha alma por estranhos, sabe-se lá de que tipo.

Mas também disso me recuperei. Escrevi poemas que expressaram esses meus sentimentos.

Solídária a sua pessoa e à poeta em você. Abraços.

PAZ e LUZ

Wan disse...

Vao-se os aneis, ficam os dedos, nesse caso vao-se os livros, fica a poeta, mulher, amiga, criativa, produtiva e linda!!! Amo-te... penaa minha amiga ter te reencontrato para te devolver alguns de seus bens roubados que encontrei, mas feliz de te rever!!!! Beijo enorme e que da proxima vez eu encontre na rua apenas a sua alegria!!!!!
Wan