12/08/2008

Bilhete promessa



Meu amor. Acabei não resistindo a vontade de deixar esse bilhete. A geladeira é o primeiro lugar onde sua preciosa mão pousa pela manhã.
Ontem você escondeu as chaves de novo. Quase perco a hora do trabalho. Parece que faz pra implicar comigo.

Prometo procurar você novamente apenas quando estiver com o sorriso de ontem. E com a mesma maçã nos olhos. Prometo pegar na sua mão e não deixar você sentir medo. Vou te abraçar enquanto você dorme,e preparar o café.Quero perguntar com quantas pessoas você falou no dia, quem ajudou, brincou ou cruzou o seu caminho.
Quais foram as cenas entre as horas monótonas do serviço que mais desconcertaram seu programa . Prometo lhe dar flores, e preparar a máquina de lavar.
Estender os lençóis,dar comida para o gato e ligar quando estiver doente.
Prometo pisar de mansinho quando descer a escada para beber água,no amanhecer frio da sua sala sem tapetes.
Prometo preencher a casa de girassóis, e esperar você terminar de falar a frase inteira, o pensamento como um todo.
Sim, prestarei atenção quando você se emocionar para responder alguma pergunta de família.
Quero ver todos os seus álbus de infância.
Prometo suspirar ao ouvir a sua voz.

Mas meu bem, não me ligue pela madrugada
e nem me incomode, esperando devolta
as cores que pintei sua vida

Não chore quando eu for
e não me pergunte
se eu senti saudades

quando voltar

4 comentários:

jean mafra em minúsculas disse...

adorei o texto. e a mudança no lay out. e aí, nos vemos? quando?

Rubens da Cunha disse...

você tá iluminada na foto e nos textos. Que bom que vc também é uma hilstiana, eu uma vez falei com ela por telefone :)
Escolhi a prosa pro mestrado por ser um exercício maior de radicalidade com a linguagem. A poesia da Hilda sempre foi pra mim algo superior, sagrado, impossível às palavras teóricas. Como eu faria uma dissertação se eu choro toda vez que leio seus poemas? :)

Lu Chaves disse...

Lindo minha porta favorita!
Aumenta saudade te ver nua em texto...

Priscila Lopes disse...

Gabech, desculpe o atrevimento. Escrevo poemas, mas queria mesmo era indicá-lhe meus contos, na verdade um deles para não "tomar teu tempo" - e outros clichês:
http://recantodasletras.uol.com.br/contos/804306

Um abraço.